Saúde

Como os exercícios físicos fortalecem a ação das vacinas

O sedentarismo e a negligência com a imunização

Loading Likes...

Imunidade

Não é exagero: suar a camisa dá uma força à imunidade e aumenta inclusive a resposta do corpo às vacinas. Aprenda a tirar proveito disso

Se os brasileiros querem mesmo se prevenir das principais infecções espalhadas por aí, deveriam começar revendo dois comportamentos: o sedentarismo e a negligência com a imunização. Tanto manter as vacinas em dia como praticar atividade física na rotina são atitudes que treinam nossas células de defesa para debelar ataques de vírus e bactérias. Quando combinadas, então, elas produzem uma sinergia digna de nota. A ciência vem comprovando que os exercícios podem melhorar até o efeito dos imunizantes. É o que acontece, por exemplo, no caso da gripe.

Um novo estudo, conduzido em Singapura com 56 mulheres idosas que receberam uma dose para se proteger do vírus influenza, constatou que as mais ativas apresentavam um maior número de anticorpos contra o agente infeccioso até um ano e meio após a picada. Elas também ostentavam outros biomarcadores (pistas no sangue) que indicavam uma atuação mais intensa e efetiva das unidades de defesa, especialmente dos macrófagos, responsáveis por engolir literalmente os inimigos microscópicos.

Essa repercussão do exercício é especialmente bem-vinda aos idosos, porque, com a idade, o sistema imune perde em desempenho. Um dos aspectos comprometidos é a renovação das células de defesa de memória que reconhecem intrusos específicos e coordenam a produção de anticorpos contra eles.

“Assim, o organismo se torna menos capaz de responder ao desafio imposto pela vacina”, explica o biólogo André Bachi, da Universidade Federal de São Paulo.

Caminhadas, corridas e pedaladas também minimizam outro processo mais comum com o envelhecimento, as inflamações pelo corpo.

“Suspeitamos que a liberação de moléculas anti-inflamatórias possa tornar as células de defesa mais sensíveis aos patógenos da vacina”, diz o biólogo Anis Larbi, pesquisador da Singapore Immunology Network e um dos responsáveis pelo trabalho que visualizou o impacto dos exercícios na imunização contra a gripe.

Como os exercícios físicos fortalecem a imunidade

Esse foco na gripe não é fruto do acaso. Estima-se que metade dos idosos vacinados não desenvolva imunidade ao influenza circulante com a dose aplicada. Metade! Daí a necessidade de pensar em estratégias que sensibilizem o organismo a reagir ao imunizante.

Já há um consenso, porém, de que o suor da camisa também se reverte em benefícios para outras faixas etárias. “Em jovens adultos, sabemos que o exercício pouco antes da vacinação pode tanto melhorar sua eficácia quanto reduzir efeitos adversos, como dor e perda de apetite”, afirma a imunologista Kate Edwards, da Universidade de Sydney, na Austrália.

Em uma das pesquisas que coordenou, a cientista notou que fazer uma sessão de 15 minutos de atividades e ser imunizado na sequência é capaz de turbinar a resposta à vacina pneumocócica, que nos protege contra bactérias por trás de pneumonia e meningite.

Já existem indícios inclusive de que a prática teria potencial para mitigar fatores que atrapalhariam a resposta à imunização. Um experimento com roedores da Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, mostrou que a movimentação ajuda o corpo a administrar o estresse fisiológico da própria vacinação.

Ora, a vacina não deixa de ser encarada pelo organismo como um fator estressor, mas se trata de algo controlado e posteriormente proveitoso. Ao preparar o terreno e atenuar essa tensão natural, acredita-se que o imunizante produza um resultado superior.

“A atividade física exige uma adaptação sistêmica, e isso também mobiliza nossas defesas”, explica o cardiologista Henrique Fonseca, pesquisador do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP).

O papel dos exercícios na imunidade, é bom que se diga, não se resume a otimizar o efeito da vacinação. “Durante a prática, ocorre a liberação de hormônios como a adrenalina, que recrutam células imunes, as colocam em circulação e melhoram seu funcionamento”, conta o fisiologista José Cesar Rosa Neto, professor do ICB-USP.

“Não quer dizer que quem se exercita não pega infecções, mas sim que o organismo está mais bem preparado para lidar com elas”, completa o estudioso da USP.

Fonte: Saúde Abril por Chloé Pinheiro

Ana Sodré

Sentir-se bem em fazer o bem… Sou antes de tudo um ser humano que ama a vida e estou sempre em busca de um mundo melhor. Atuei nos últimos 30 anos como empresária e editora, destacando três grandes publicações, a Revista Médico Repórter e o Jornal Hipócrates, atingindo a classe médica. E, por 2 anos a Revista Aimè, voltada para o público gay masculino, com venda em banca no âmbito nacional, sendo também distribuída na Argentina e em Portugal. A repercussão foi muito positiva, do qual recebi um prêmio Mulher Excelência 2009 - CIESP. Ao receber o convite para ser parte do Instituto - “Eu Causo”, foi como um raio de sol iluminando o meu horizonte… Envolvida na saúde, ao longo destes anos me deparei com diversas situações, oras boas, outras nem tanto, porém algo sempre me chamou a atenção, a fragilidade do Ser Humano. Pude perceber de perto, o quanto estamos vulneráveis mediante uma doença, quer seja em causa própria, ou de alguém da família, um amigo... Com base nessa premissa, agarro este projeto com o mesmo propósito: contribuir, através da informação, para um melhor estar! Estarei comprometida a identificar os avanços da medicina em prol da saúde, em responder as demandas da população; e vendo como as pessoas se conectam mais, me engajarei para que cada um de vocês utilize este portal, na certeza que irão encontrar um espaço acolhedor e aglutinador, para que juntos, possamos alcançar um estado de felicidade. Eu escolhi cuidar! … Eu causo!… E você?

Artigos relacionados

Veja Também

Fechar