CognitivaDeficiênciaEstou CausandoT21 síndrome de Down

Fotógrafa cria projeto para clicar crianças com síndrome de Down

Batizada de 'Downlicinhas', iniciativa de Joyce Fialho tem emocionado seguidores do Rio e do Brasil. 'Xodó' da profissional, Manu, de 1 ano e 6 meses, supera adversidades com sorriso fácil e simpatia.

Loading Likes...

Projeto para clicar crianças com síndrome de Down

A iniciativa de uma fotógrafa do Rio de Janeiro tem espalhado amor pelas redes sociais e encantado seguidores de muitos lugares do país.

Para comemorar o dia – este sábado (12) – e o mês das crianças, Joyce Fialho, de 32 anos, decidiu oferecer ensaios fotográficos gratuitos a famílias com bebês e crianças com síndrome de Down.

“Já tem um tempinho que a ideia estava no papel. Eu tenho um cunhado com síndrome de Down e eu fotografo muitas crianças. Desde 2015, foram muitos ensaios. E eu sempre me perguntava o porquê nunca veio uma criança com Down, pra eu poder fotografar”, explicou Joyce.

O convite publicado no Instagram da fotógrafa deu certo. Logo, muitas mães e pais começaram a enviar mensagens querendo que os filhos fossem fotografados. Ao ouvir e ler as histórias que eram contadas, a profissional constatou que falta de tempo e dinheiro eram razões frequentemente citadas para que os pais deixassem de registrar momentos especiais das crianças.

“Eu acho que os pais acabam deixando um pouco de lado [fazer as fotos] porque não é uma coisa ‘tão importante’, né? Importante é cuidar da criança, enfim, dar toda a assistência que elas precisam. E aí, veio a ideia de fotografar, de abrir um espaço na minha agenda, né?, sem fins lucrativos, um ensaio gratuito mesmo, a fim de promover essa inclusão dessas crianças e dar de presente pra essas mães esses momentos, que são lindos registros.”

A repercussão imediata dos ensaios fez com que se formasse uma lista de espera. Desde o início do projeto, batizado de “Downlicinhas”, Joyce clicou cinco crianças – até mais de uma por semana. E dos bebês clicados no estúdio da fotógrafa, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, um acabou virando “xodó” da profissional. Manuela, de 1 ano e 6 meses, inspirou Joyce com uma história de superação e sobrevivência.

 “A história dela foi muito marcante. Ela já passou por muita coisa, apesar de ser tão novinha. E a alegria dela no ensaio foi a coisa mais linda. Assim, ela sorriu o tempo todo, ela é uma criança super extrovertida, e me marcou bastante. De todas as crianças que eu já fiz até agora, é realmente a história que mais me emocionou.”

As questões referentes à saúde de Manuela têm uma complexidade incomum. A bebê sofre de uma cardiopatia e distúrbios na tireoide, fez tratamento para leucemia e também foi diagnosticada com síndrome de West, que provoca convulsões. Ainda assim, o sorriso fácil e simpatia da bebê tem conquistado admiradores na internet.

“A repercussão tem sido estrondosa. Os compartilhamentos foram enormes. Muitas mães entrando em contato comigo, marcando outras mães com síndrome de Down. Então, eu já tenho uma lista de espera de crianças pra fazer ensaios. E é maravilhoso ver seu trabalho sendo divulgado dessa forma”, comemorou Joyce.

Aprendizado e superação

Aos 24 anos, a mãe de Manuela, Yasmin Gonçalves, se emociona ao contar o que ela e a pequena passaram ao saber dos diagnósticos. O último deles apontou distúrbio na tireoide, algo que a mãe disse que a filha não apresentava antes. Mesmo assim, a alegria de Manu impulsiona Yasmin a persistir e a aprender, todos os dias, com a filha.

“Ela passou o que tinha que passar, entendeu?, com esse sorriso, ela que enfrentou as quimioterapias, ela que enfrentou as convulsões dela, sempre alegre e sorrindo. Por que eu ia me abater? Por quê? Aí, eu [disse]: ‘não, eu vou ser forte, sim. Minha filha vai superar isso. E eu também’.”

Passado o momento mais turbulento do ano, quando Manu ficou internada por 90 dias, entre março e junho, Yasmin agora se diverte com o sucesso da filha na internet.

“Todo mundo, né?, amando as fotos da Manuela. A Manuela é um sucesso! E eu sempre conto a história dela. Por foto, todo mundo ama, todo mundo chama ela de guerreira, todo mundo diz que ela é uma lutadora, linda. E eu só compartilhando, né?”, brinca a mãe.

Fonte: G1-Rio  – Por Nicolás Satriano
Foto: Joyce Fialho/Divulgação

 

 

Ana Sodré

Sentir-se bem em fazer o bem… Sou antes de tudo um ser humano que ama a vida e estou sempre em busca de um mundo melhor. Atuei nos últimos 30 anos como empresária e editora, destacando três grandes publicações, a Revista Médico Repórter e o Jornal Hipócrates, atingindo a classe médica. E, por 2 anos a Revista Aimè, voltada para o público gay masculino, com venda em banca no âmbito nacional, sendo também distribuída na Argentina e em Portugal. A repercussão foi muito positiva, do qual recebi um prêmio Mulher Excelência 2009 - CIESP. Ao receber o convite para ser parte do Instituto - “Eu Causo”, foi como um raio de sol iluminando o meu horizonte… Envolvida na saúde, ao longo destes anos me deparei com diversas situações, oras boas, outras nem tanto, porém algo sempre me chamou a atenção, a fragilidade do Ser Humano. Pude perceber de perto, o quanto estamos vulneráveis mediante uma doença, quer seja em causa própria, ou de alguém da família, um amigo... Com base nessa premissa, agarro este projeto com o mesmo propósito: contribuir, através da informação, para um melhor estar! Estarei comprometida a identificar os avanços da medicina em prol da saúde, em responder as demandas da população; e vendo como as pessoas se conectam mais, me engajarei para que cada um de vocês utilize este portal, na certeza que irão encontrar um espaço acolhedor e aglutinador, para que juntos, possamos alcançar um estado de felicidade. Eu escolhi cuidar! … Eu causo!… E você?

Artigos relacionados