Socioambiental

Eficiência da planta Orelha de elefante como biorremediadora

Absorção de metais pesados do solo

Loading Likes...

Planta “Orelha de elefante” descontamina o solo

Um estudo realizado pela Universidade Federal do Amazonas comprovou a eficiência de uma planta da região como biorremediadora em áreas contaminadas. De acordo com a pesquisa, a espécie tem a capacidade de absorver metais pesados do solo, como cádmio, cromo, cobre, chumbo, níquel e zinco.

Fruto de um trabalho de doutorado, o estudo teve como objetivo testar a capacidade de absorção dos metais pesados pela planta, que pode ser encontrada na flora de algumas matas ciliares da cidade de Manaus.

Conhecida como Orelha-de-elefante (Colocasia gigantea), pertence à família das aráceas e são plantas nativas da Polinésia, Sudeste asiático e Brasil.

São espécies herbáceas, perenes, com um grande rizoma que pode ser aéreo ou sob a superfície da terra. Parente do inhame, a orelha-de-elefante se destaca em qualquer projeto paisagístico, sendo destinada especificamente para jardins externos de grande porte, por causa das folhas que podem ter até a circunferência de tamanho igual ao capô de um automóvel.

Na pesquisa que durou 4 anos, foi realizada a coleta das plantas em áreas cujo nível de contaminação é elevado e em outras não impactadas. O uso de plantas para a descontaminação do solo e da água contaminados por produtos químicos é utilizado há mais de três séculos. A fitorremediação alcançou importância mundial por ser uma tecnologia que extrai ou imobiliza contaminantes de origem orgânica e inorgânica.
Os testes mostraram que todos os metais foram absorvidos da mesma forma independentemente do local escolhido e o chumbo foi o metal que apresentou maior concentração na planta, seguido por cromo, cádmio, cobre, níquel e zinco, sequência que se repete nas partes (caule, folhas e raízes) analisadas da planta.

No Amazonas, a ocorrência de metais pesados se deve ao processo de ocupação desordenada, resíduos industriais, principalmente, na estação seca, quando foram encontrados os maiores valores de concentração. Outras fontes comuns são os resíduos urbanos, pilhas, baterias e lâmpadas fluorescentes que contêm mercúrio, muitas tintas que contêm chumbo, baterias de celular e plásticos coloridos que contêm cádmio.
Plantas com esta característica são conhecidas como exclusoras, ou seja, são capazes de tolerar grandes quantidades de metais pesados em seus tecidos, além de ser tolerantes a múltiplos metais. O resultado permite afirmar que a orelha-de-elefante é uma planta promissora para ser usada na implantação de um programa de fitorremediação, pois ela é hiperacumuladora desses metais.

Fonte: Raízes e Folhas

 

Tags

Ana Sodré

Sentir-se bem em fazer o bem… Sou antes de tudo um ser humano que ama a vida e estou sempre em busca de um mundo melhor. Atuei nos últimos 30 anos como empresária e editora, destacando três grandes publicações, a Revista Médico Repórter e o Jornal Hipócrates, atingindo a classe médica. E, por 2 anos a Revista Aimè, voltada para o público gay masculino, com venda em banca no âmbito nacional, sendo também distribuída na Argentina e em Portugal. A repercussão foi muito positiva, do qual recebi um prêmio Mulher Excelência 2009 - CIESP. Ao receber o convite para ser parte do Instituto - “Eu Causo”, foi como um raio de sol iluminando o meu horizonte… Envolvida na saúde, ao longo destes anos me deparei com diversas situações, oras boas, outras nem tanto, porém algo sempre me chamou a atenção, a fragilidade do Ser Humano. Pude perceber de perto, o quanto estamos vulneráveis mediante uma doença, quer seja em causa própria, ou de alguém da família, um amigo... Com base nessa premissa, agarro este projeto com o mesmo propósito: contribuir, através da informação, para um melhor estar! Estarei comprometida a identificar os avanços da medicina em prol da saúde, em responder as demandas da população; e vendo como as pessoas se conectam mais, me engajarei para que cada um de vocês utilize este portal, na certeza que irão encontrar um espaço acolhedor e aglutinador, para que juntos, possamos alcançar um estado de felicidade. Eu escolhi cuidar! … Eu causo!… E você?

Artigos relacionados